4:32 am - quarta-feira agosto 7, 2013

Pequena aula de economia sobre valor subjetivo

Vez ou outra, quando o assunto é salário e desigualdade, você costuma ouvir alguém reclamando de jogadores de futebol. Por que ganham tanto? O que fizeram para isso? É muito injusto um professor ganhar menos. E um médico que estudou a vida inteira? Essas, caros leitores, são perguntas inócuas se confrontadas com a realidade.

O que faz o valor de algo em última instância é a subjetividade. Daí o fato de donos de grandes empresas investem maciçamente em coisas e pessoas com bastante valor subjetivo agregado. É isso que faz a Clear pagar centenas de milhares de reais para Neymar aparecer em um comercial e não o professor Toinho que dá aula na no interior do Piauí.

Outro exemplo interessante de valor subjetivo é o inglês David Beckham. Pode ser que o inglês não tenha jogado bem em todos os clubes pelos quais passou, ele faturou aos cofres das agremiações cerca de R$ 3,1 bilhões. Então, se faturou isso tudo para seus empregadores, quanto o jogador merecia receber? R$ 700,00?

Pois é, o valor das coisas não reside em uma tabela. Por mais que você ache que profissional X merece ganhar mais do que Y porque produto o W deveria ser mais valorizado que Y, a realidade é outra. Como diz o Marco D’Eça, simples assim…

Abaixo um vídeo que explica melhor o conceito de valor subjetivo.

Arquivado em: Economia, Geral

Ainda não há comentários.

Deixe um comentário

*