3:50 am - segunda-feira setembro 9, 2013

Agentes fazem protesto pacífico, mas denunciam irregularidades na Promotoria

Os agentes de saúde de Timon saíram em caminhada hoje (11) pelas ruas de Timon protestando contra o descaso do governo municipal na falta de atendimento há várias questões, que se arrastam há anos, mas que durante a campanha eleitoral do ano passado eles apresentaram proposta em carta compromisso para atual prefeito Luciano Leitoa que garantiu o atendimento dos pleitos.

Dentro de uma pacificidade, mas com palavras fortes como “fora a corrupção”, “Governo é maior. Onde?”, a manifestação foi caracterizada por paradas estratégicas. Na Promotoria de Timon, uma comissão composta pelo presidente do Sindicato Iglesias Alves e cinco agentes, foi recebida pelos promotores Fernando Evelin de Miranda Meneses e Sérgio Ricardo Martins, que se dispuseram a atender as reivindicações dos agentes desde que com os encaminhamentos.

Segundo Iglesias existe uma recomendação do Ministério Público para a questão do adicional de insalubridade, uma das principais reivindicações dos agentes, mas que até o momento não foi atendida pelo prefeito Luciano Leitoa, apesar de seu compromisso de campanha com as propostas apresentadas na carta do compromisso da categoria.

Os agentes apresentaram aos promotores um rol de denúncias praticadas pela administração anterior e que foram absorvidas pela atual administração. Eles citaram, por exemplo, a licitação para reforma dos PSFs propostas pelo atual governo, onde aparecem na lista vários postos que já foram reformados e constam de novas reformas de acordo com a licitação que está em curso pelo atual governo.

A inclusão do PSF do povoado Gameleira no processo de licitação para a reforma também foi alvo de denuncia junto aos promotores pela comissão. Eles informaram, que no povoado não existe PSF para reformar, que as pessoas do município são atendidas em uma escola. A comissão denunciou que o atendimento era feito por uma unidade móvel, mas que está desativada há dois anos e jogado numa oficina mecânica em Teresina.

Os agentes também denunciaram o fato de uma mesma pessoa ocupar dois cargos de coordenação, no caso do Programa Médico da Família e do Programa de Hanseníase. Eles também denunciaram a falta de condições do atendimento da população nos postos de saúde por conta da precariedade de pessoas qualificadas.

Segundo a comissão, hoje os postos de saúde estão lotados de servidores nomeados pelo prefeito, quando a necessidade do programa exige somente a nomeação de profissionais capacitados, no caso médicos, enfermeiros, dentistas, atendentes e agentes. “Hoje tem gente nomeada como diretores em posto de saúde para não fazer nada” apontaram os agentes aos promotores.

Iglesias disse aos promotores que muitos erros do passado estão sendo absorvidos pela atual gestão municipal. Ele enfatizou que tem sido recebido pelos assessores do prefeito, mas efetivamente nada de concreto tem sido atendido. “Não vamos negar que temos diálogo com o governo municipal, mas o atendimento aos nossos pleitos não tem sido colocado como prioridade”, disse Iglesias.

Em depoimento forte, a agente de saúde Conceição disse que a visão em um dos olhos por conta do trabalho insalubre. Outros agentes também apresentaram casos que afetam os profissionais da saúde pública como Hanseníase, câncer de pele até HIV.

 

 

 

 

 

Arquivado em: ribamar

Ainda não há comentários.

Deixe um comentário

*